História

Ao longo de sua trajetória, iniciativas lideradas pela Papel Social contribuíram, de forma efetiva, para influenciar decisões de grandes empresas, mudar cenários e estabelecer novos marcos de relacionamento entre comunidades, organizações da sociedade civil e empresas.

Em 15 anos de atuação, a Papel Social pesquisou importantes cadeias produtivas. Identificou violações de direitos humanos e crimes ambientais, mas também participou de iniciativas de vanguarda, em diversos setores da economia.

A atuação da Papel Social, por exemplo, foi decisiva para retirar dezenas de milhares de trabalhadores da condição de escravos, pessoas submetidas a condições medievais em carvoarias localizadas no coração da Amazônia. Ao longo de sete anos, desenvolvemos estudos e articulações – em parcerias com diversas organizações – que levaram a uma importante reestruturação das condições de trabalho da cadeia produtiva do aço.

O mesmo ocorreu em relação aos setores do vestuário, indústria química, papel e celulose, madeira, produtos do agronegócio.

Nesses quinze anos, nosso trabalho foi reconhecido por importantes organizações nacionais e internacionais. Nossa equipe também foi agraciada com os principais prêmios do jornalismo brasileiro.

Participamos ativamente de iniciativas que envolveram empresas de diversos setores na identificação de problemas e no desenvolvimento de ações e metodologias, com o objetivo de aprimorar a qualidade das relações com a base da cadeia.

Nosso trabalho foi decisivo para ajudar empresas e organizações da sociedade civil a encontrar caminhos para enfrentar violações de direitos humanos, discriminação de gênero, desigualdades sociais e questões ambientais.

Reposicionamento

No começo do nosso trabalho, a transformação precisava ser provocada por uma denúncia, como é o caso das nossas pesquisas sobre a cadeia produtiva do aço, do vestuário e da celulose, dentre outras. Com o passar do tempo, outras formas de atuação se tornaram tão ou mais efetivas.

Uma parcela significativa das empresas também mudou. Hoje, algumas corporações tomam a iniciativa de monitorar suas cadeias produtivas e estudar o cenário em torno da origem das matérias primas, com o objetivo de identificar e prevenir violações de direitos humanos e agressões ambientais.

Diante deste cenário, a Papel Social se reestruturou. Reassumimos nosso compromisso de origem – promover mudanças – agora com um plano de atuação ampliado e com o objetivo de ser ainda mais eficiente. Como?

Nos últimos meses, a Papel Social colocou em prática um plano de reposicionamento que aprofunda a efetividade das ações realizadas. O trabalho principal continua centrado em Comunicação e Pesquisa de Cadeias Produtivas, só que agora com uma ampliação no escopo das atividades realizadas. Além disso, foram incluídas três novas frentes de trabalho: Campanhas, Negociação e Formação.

Saiba mais sobre nossas FRENTES DE TRABALHO, conheça os nossos RESULTADOS e visite a nossa BIBLIOTECA

translate